24 de fevereiro de 2014

Fotos Históricas

Frei Gabriel Malagrida, uma das encarnações do Caboclo das Sete Encruzilhadas no colégio Anchieta em Friburgo

Primeira página do acordo dos inquisidores no processo contra Gabriel Malagrida, que foi executado em um auto de fé no Rossio em Lisboa, em 21 de setembro de 1761

Pintura do Caboclo das Sete Encruzilhadas feita pelo médium Jurandi da Tenda Nossa Senhora da Piedade
Matéria do jornal A Gazeta, de São Gonçalo/RJ, sobre os candidatos do partido governista para as eleições municipais de 1929

Nossa Senhora da Piedade
Casa de Zelio onde foi fundada a Tenda Nossa Senhora da Piedade

Antigo Congal da Tenda Nossa Senhora da Piedade

Atual Congal da Tenda Nossa Senhora da Piedade onde é mantida a mesa de trabalho como nos primórdios da Umbanda em 1908

Trabalho de desobesessão na mesa da Tenda Nossa Senhora da Piedade em 1973
Zelio de Moraes e sua esposa Dona Isabel

Zelio de Moraes, Dona Isabel e Ronaldo Linhares em 1972

Em 1967, após 59 anos de atividade junto a Tenda Nossa Senhora da Piedade, Zelio entregou a direção dos trabalhos a suas filhas Zélia e Zilméia e passou a viver em Boca do Mato, localidade do Município de Cachoeiras do Macacu/RJ ao lado de sua esposa Dona Isabel. Nesse recanto, continuou a a atender os necessitados, na Cabana de Pai Antonio
Pai Antonio incorporado em Zelio na Cabana de Pai Antonio

Antigo Congal da Cabana de Pai Antonio, onde atualmente funciona a Tenda Nossa Senhora da Piedade

Sete Flechas
Caboclo Sete Flechas incorporado em Zélia de Moraes em 1990 na Tenda Nossa Senhora da Piedade

As filhas de Zelio deram continuidade a Tenda Nossa Senhora da Piedade, porém após o falecimento do marido de Dona Zélia, a mesma se mudou para a Boca do Mato, continuando os trabalhos na Cabana de Pai Antonio, enquanto Dona Zilmeia continuou dirigindo a Tenda Nossa Senhora da Piedade. Essa foto é do Congal da Cabana de Pai Antonio em 1999

Zilméia de Moraes firmando o ponto do Caboclo das Sete Encruzilhadas

Detalhe do Primeiro Congresso Brasileiro do Espiritismo de Umbanda em 1941 no Rio de Janeiro

Segundo Congresso Nacional de Umbanda em 1961 no Rio de Janeiro

Jose Manoel Alves, autor do Hino da Umbanda em foto registrada no Primado de Umbanda

Primado de Umbanda em 1965 no Maracãnazinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário