11 de fevereiro de 2013

Orixá Mallet

Orixá Mallet, foi um importante espírito que desceu em terra pela Umbanda em 1913, através de seu Zélio de Moraes, cinco anos após o Caboclo Sete Encruzilhadas ter se manifestado. Com o surgimento do espírito Orixá Mallet, rapidamente ele alcançou lugar destacado no panteão da Umbanda, passando trabalhar nos trabalhos de desmanche e magia, e sendo respeitado pelas outras entidades do Sr. Zélio, o Pai Antônio e o próprio Caboclo das Sete Encruzilhadas. Trabalhava com animais em seus trabalhos, mas os mantinha vivos. De um temperamento forte, tanto podia promover materializações de borboletas, proteger pombas, como atirar pedras em médiuns, e carregar por meio quilometro o Sr. Benjamim Figueiredo, que depois disso abriu a Tenda Mirim. Leal de Souza, em seu livro, relata que em uma reunião fechada, com cerca de 20 pessoas, o espírito Orixá Mallet começou a traçar pontos no chão, e levou a mão até eles, e dali se materializaram duas borboletas amarelas, em seguida tocou a mão do próprio Leal de Souza depositando ali a terceira borboleta, dizendo que ele veria a borboleta ao chegar em sua casa, e também em seu trabalho. E assim foi, chegando tarde da noite dos trabalhos mediúnicos, encontrou a borboleta amarela ao chegar em casa, e no dia seguinte, dentro do local onde trabalhava, seus colegas, surpresos, constataram que uma borboleta amarela pousava sobre sua cabeça.
Em outra ocasião, às margens do Rio Macacú, foi levado dois pombos brancos, que colocou-os o Orixá, como se os prendesse, sobre um ponto traçado na areia, onde eles quedaram quietos, e começou a operar com fluídos elétricos, para fazer chover. Em meio à tarefa disse: 
- Os pombos não resistem a este trabalho. Vamos passá-los para a outra margem do rio. Pegou-os, encostou-os as fontes do médium, e alçando-os depois, soltou-os. Os dois pássaros, num vôo alvacento, transpuseram a caudal, e fecharam as asas na mesma arvore, ficando lado a lado, no mesmo galho. Passada a chuva que provocara, disse:
- Vamos buscar os pombos.
Chegando a orla do rio, o Orixá com as mãos levantadas, bateu palmas, e os dois pombos recruzando as águas, voltaram ao ponto traçado na areia.
Sobre o episódio da pedra, João Severino Ramos, dirigente da Tenda São Jorge, mais uma das tendas fundadas pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, ao fazer sua primeira visita a Zélio em Cachoeiras de Macacu, se mostrava cético e incrédulo, pedindo provas para crer. O Orixá Malet (da vibração de Ogum) pegou uma pedra à beira do rio e acertou bem no meio da testa de Severino que caiu dentro das águas. A entidade proibiu os amigos de socorrê-lo e pediu que esperassem. Minutos depois Severino atravessou as margens do Rio Macacu já incorporado de Ogum Timbiri, com quem trabalharia na tenda citada.
Cláudio Zeus, explica em um estudo da época, os feitos do espírito Orixá Mallet, que considerava-se um Orixá, uma entidade de hierarquia superior e que representava, em missões especiais, de prazo variável, o alto chefe de sua linha. Zeus relata ainda que na linha de pensamento desta Umbanda Original, os Orixás eram espíritos humanos com certas peculiaridades em essência, e não elementos ou elementais da Natureza, e sequer ancestrais divinizados. A história não registra quando estes espíritos que tanto atuaram nos primórdios da Umbanda desceram em terra pela última vez. Sabe-se que o espírito Orixá Mallet era um espírito que exauria as forças do franzino corpo de seu médium. Falava pouco, quase somente por gestos, ou era Pai Antônio que trazia suas ordens e ensinamentos nos trabalhos de demanda e estabelecimento de disciplina. Foi a última entidade a se manifestar, e a primeira a parar, através do Sr. Zélio. Foi Orixá Mallet que trouxe do astral a simbologia dos pontos riscados na Umbanda como magia, e, posteriormente como identificação das entidades que se manifestavam, além dos ponteiros de aço para firmarem os pontos de magia que eram riscados através da pemba. Detentor dos conhecimentos das forças da natureza, e responsável por introduzir ao culto de Umbanda as oferendas para os Orixás, ele também utilizava destas comidas para desmanchar os trabalhos dos que buscavam ajuda na Tenda, além de alguns animais, sempre utilizados vivos em seus rituais, destruindo as energias maléficas dos que lhe procuravam. Orixá Mallet também era o responsável pela sessão de descarga da Tenda Nossa Senhora da Piedade, onde realizava a limpeza fluídica do espaço e de seus médiuns. Essas sessões ocorriam sempre na véspera da sessão do Caboclo das Sete Encruzilhadas onde vinha dar a sua doutrina. 
Sob a irradiação de Ogum, com a atuação e influência do espírito Orixá Mallet, também se manifestou o Sr Marabarô, Exu da coroa do Sr. Zélio, que era cuidado por dona Zilca , irmã do Sr. Zélio. Daí em diante a linha de trabalho dos Exus se efetivou de maneira discreta na Tendas, e aos poucos foram se manifestando mais entidades desta linha chamada de esquerda. Diferente do que muitos falam, na tenda fundada pelo Seu Zélio existe sim giras de Exus, mas estas são fechadas para o publico. 

5 comentários:

  1. Boa noite. Sou Presidente da Tenda de Nossa Senhora do Rosário, em São Paulo capital, onde seguimos a linha do Chefe, e vi este texto, em publicações, de irmãos pelo facebook. E se permitem, devo dizer que muito está errado. Na amabilidade da fraternidade em Cristo, que nos cerceia, permitam-me lhes esclarecer.

    1° - Dizer: "Espírito Orixá Mallet (Pronuncia-se Malé)", é uma forma, que me parece de depreciar a imagem Dele. Ele é um Orixá. E todos os Orixás são Espíritos, superiores, que encarnaram e ascensionaram. São dotados de faculdades diversas, tais como a de ubiquidade. Na Linha Branca de Umbanda e Demanda, ou seja, na Doutina do Chefe, nós não cultuamos ancestrais africanos divinos e elementais, e sim, Padroeiros católicos. Eles são o que chamamos de Orixás. Poucos baixaram. Um deles foi o Orixá Mallet, Ogum Megê, e Ganga Mu. Sr. Ganga Mu, inclusive, baixava por um médium do tempo do Sr. Zélio, na TENSP, ele se chamava Sr. Ruiz. O Orixá Ganga Mu, foi um dos malaios que veio adjunto com o Orixá Mallet. Cada uma das Sete Linhas Brancas, possui vinte e um espíritos superiores, que as chefiam, e dão missões no espaço, aos Pretos e Caboclos, que estão em suas falanges.

    2° - O Caboclo Cugurussú, assim como muitos Pretos e Caboclos, já baixavam em médiuns esporádicos antes de existir a Umbanda. Isto se deve, porque são Espíritos que estavam na erraticidade do espaço, e queriam trabalhar. Ele não ladrilhou nada. Umbanda veio da formação do Chefe.

    3° - A Umbanda, não foi trazida pelo Sr. Zélio, e sim, criada, anunciada e feita pelo Chefe;

    4° - A Umbanda é uma linha do Espiritismo. Porém do Espiritismo original, como prática e crença na comunicação espiritual, esclarecidos ou não da faculdade mediúnica e anímica. Assim sendo, a Doutrina de Allan Kardec, é uma linha, um segmento do Espiritismo. Assim como a Umbanda, e as demais religiões de cunho comunicativo com o mundo espiritual. Portanto, é por isso que o Chefe sempre disse: "Um culto espírita!", por isso que nós chamamos as Tendas de "Espíritas", e nos chamamos de "espíritas", na modalidade de Umbanda. O conjunto disso se chama: "Linha Branca de Umbanda e Demanda". Pois temos os serviços de Demanda também;

    5° - O Kardecismo não possui dogmas infernais ou paradisíacos. Pelo contrário, Kardec abominava essa ideia de evolução estacionária e penas e gozoz eternos;

    6° - A Lei de Umbanda é: Humildade, amor e caridade. Nas palavras do Chefe: "Somente a humildade, com o amor fraterno, de irmão para irmão, pratica a caridade.";

    7° - O Orixá, foi trazido pelo Chefe, da Malásia em 1913, para que Ele curasse os obsedados e desmanchasse as feitiçarias. O Orixá, como todos os outros, possui faculdade próprias a promover grandes fenômenos. Tais quais eu poderia enumerar alguns dos seus feitos aqui, se não fosse demasiado longo;

    8° - O Orixá, instituiu o sarapatel, os ponteitos, pontos riscados, as Sessões de Descarga, o Amací, etc;

    9° - Quando o Orixá necessitava de algum animal, no geral aves eram: Pomba branca para Oxalá, Galo vermelho para Ogum, Galo branco ou frango carijó para Euxoce, etc. Ele amarrava uma fitinha na patinha desta ave e a soltava. Depois a ave despachava a fita onde bem entendesse. Assim, liberta-se o fetiche do animal sacrificado no ato da feitiçaria, e auxilia a despertar os espíritos maus adormecidos, em geral exús, que estavam nas mãos de feiticeiros;

    10° - O Orixá tinha o temperamento forte, mas com o tempo Ele se abrandou. Ele não admitia nenhuma quebra de corrente, por falte de firmeza dos assistentes, pois isso impede a evolução do fluído para os trabalhos efetuados;

    ResponderExcluir
  2. 11°- Não é "Umbanda Branca e Demanda". É Linha Branca de Umbanda e Demanda. Linha= Segmento espírita; Branca= Caráter puro de sua prática; Umbanda= Compreendendo os serviços de caridade; Demanda= Compreendendo os serviços contra a feitiçaria;

    12° - O Chefe chamou de Umbanda, e buscou esse nome no grego, e Ele disse que significa: "Deus [é] conosco!". E a definiu como: "A manifestação do Espírita para a prática da caridade.";

    13° - Como dito, cada uma das Sete Linhas Brancas possui um Patrono e os Padroeiros. Todos esses são os que chamamos de Orixás. Não tem nada a ver com os deuses africanos, cultuados nos candomblés;

    14° - Fora pedido ao Sr. Geraldo Rocha, para levar os pombos às margens do Rio Macacú. Porém, na sua impossibilidade, Leal de Souza, fora incubido de levá-los;

    15° - Verdade, "Capitão de Demanda", era um título honroso dado ao Orixá. Assim como "Ogum de Nagô" e "Ogum de Lei". Às vezes, "Ogum de Lei" designa Ogum Megê, outro Orixá, em alguns Pontos;

    16° - Ele não era simplesmente um "emissário", e sim, um alto dignatário e mandatário da Linha de Ogum, um dos seus vinte e um Orixás;

    17° - Um dos malaios que vieram com ele, era o Orixá Ganga Mu, que baixava no Sr. Ruiz;

    18° - O que aí está designado como "Ritual da Fita Vermelha", é a cerimônia de "Cruzamento" dos médiuns, que ao término recebem uma fita vermelha à ser amarrada na cintura, designando-o como "Médium de Caridade". Isso é feito somente depois que o médium está desenvolvido e pronto para o serviço da linha. Portanto, nunca é feita antes, quando o médium entra, ou para ser aceito, como o texto diz, está errado;

    19° - Como não se sabe muito do Povo da Costa? Povo da Costa, são os Pretos da costa d'áfrica, como: Cambinda, Banguela, Guiné, Luanda, Angola, Congo, Moçambique. Portanto, não estão no anonimato como o texto infere;

    20° - O Orixá, é um Espírito, assim como todos os outros o são. Porém, designá-lo como no texto: "Espírito Orixá Mallet", é errado. Isso me parece uma tentativa de descredibilizá-lo como Orixá;

    ResponderExcluir
  3. 21° - O Sr. Marabaroô, Exú-Chefe na TENSP, não era acostado à falange de Ogum. E baixava pelo Sr. Pinto, e antes, por Dona Zilca, irmã do Sr. Zélio. Não existe essa de: "Exú da coroa do Sr. Zélio". Sr. Zélio nunca incorporou Exú, se ele o tinha, não sabemos quem era;

    22° - Não, não tem essa de:"Linha de trabalho..", existem apenas Sete Linhas Brancas, e os Guias e Protetores por afinidade se manifestam por uma delas. No caso dos Exús, eles se manifestam pela sétima Linha, a Linha de Santo (Também chamada de Linha das Almas), acostados às falanges das outras seis. Mas há também nessa Linha os Pretos e Caboclos de Tronqueira, egressos da feitiçaria;

    23° - Não! Não existem "Giras de Exú", nem usamos esse termo para designar as Sessões. O que existem são as Sessões de Descarga, criada pelo Orixá Mallet, para defesa dos membros da Tenda e limpeza da resma fluídica deixada pelos espíritos obsessores encaminhados nos médiuns. Nestas Sessões, é permissível a incorporação de Exús, a título de nos auxiliarem na limpeza dessa resma fluídica, porém é comanda por Pretos e Caboclos, sempre, como em todas as demais Sessões;

    24° - Sim, o Orixá foi o primeiro a parar de descer, devido que sua incorporação era por demais custosa ao fluído do Sr. Zélio, já em avançada idade;

    25° - No começo Ele falava pouco, pois se expressa em árabe, e por gestos. Pai Antônio era seu intérprete muitas das vezes. Porém com o tempo Ele passou a falar mais na nossa língua;

    26° - Não, todos os Orixás foram agremiados em torno do Chefe. Esse Anjo bendito que trouxe redenção. E como o Chefe disse: "A árvore do evangelho é semeada há dois mil anos na Palestina, eu a transplantei para o rincão de São Gonçalo". As pessoas falam do Chefe, sem entender quem é Ele. Ele não foi um simples missionário. Ele é um Anjo, próximo a Jesus, que baixou humildemente no planeta;

    27° - Não! Ele não incorporava os 147 Orixás. Não! Não foram apenas dois a baixarem, o Orixá Mallet foi o primeiro. Ganga Mu da Linha de Xangô. Xangô Agodô. Ogum Megê. Simiromba, esses são alguns que baixaram;

    28° - Não! Os Orixás não são "representantes das Linhas", Eles são os Chefes das Linhas, e abaixo deles estão os Pretos e Caboclos.

    Adendo: Os Pretos se manifestam por dois Povos: Povo da Costa - Aqueles da Costa d'África; Povo da Bahia - Pretos do Brasil, ou que vieram e foram criados aqui. Os Pretos do Povo da Costa se manifesta principalmente na Linha de Ogum, de Xangô, os da Bahia principalmente na de Oxalá, Iansã, etc. Os Caboclos, se identificam pela própria Linha que trabalham.

    ResponderExcluir
  4. Sou Maria das Graças da Casa Branca de Oxalá. Mãe Maria.
    Gostaria de saber quem fez desta entrevista e se Você tem como me mandar de onde retirou este Material, pois
    Eu tenho um acervo grande com a Voz de Zélio de Moraes, tendo sido ouvida na minha residência pelas suas filhas Zélia e Zilméia em tempos que a "Umbanda de Zélio de Moraes" era mais clara.
    e nem suas filhas sabiam dizer quem era o Orixá malê.
    Seria de grande valia estes documentos.
    Obrigado
    Saravá
    Mãe Maria

    ResponderExcluir