26 de setembro de 2012

27 de Setembro dia de Cosme e Damião



Os Cosmes na Umbanda são a manifestação de espíritos cujo desencarne se deu com pouca idade, ainda na infância. Por esse motivo, trazem consigo características da sua última encarnação, como trejeitos e fala infantil. Eles realizam um trabalho muito importante dentro da Umbanda, acompanhando de perto a nossa infância, pois enquanto somos crianças eles têm maior acesso e facilidade para nos ajudar, pois nossa vibração fica mais próxima à deles. Seus nomes geralmente são comuns e se apresentam no diminutivo: Pedrinho, Joãozinho, Mariazinha... 
No Candomblé são chamados de Erê, e são o intermediário entre a pessoa e o seu Orixá, residindo entre a consciência da pessoa e a inconsciência do Orixá. É por meio do Erê que o Orixá expressa a sua vontade e que o noviço aprende as coisas fundamentais do Candomblé. Durante o ritual de iniciação, o Erê é de suma importância, pois é ele quem  trará as várias mensagens do Orixá do recém-iniciado. Seus nomes normalmente são ligados ao Orixá do médium. Para os filhos de Obaluaiê, Pipocão, Formigão, para os de Oxóssi, Pingo Verde, Folinha Verde, para os de Oxum, Rosinha, para os de Yemanjá, Conchinha Dourada... 
Tanto os Cosmes quanto os Erês quando incorporados em um médium, gostam de brincar, correr e fazer brincadeiras como qualquer criança, e é possível notar que a característica mais comum entre eles é a atitude infantil, o apego a brinquedos, bonecas, chupetas, carrinhos e bolas.
Acarajé, vatapá, caruru, xinxim de galinha
Acarajé, vatapá, caruru e xinxim de galinha
A festa de Cosminho, como é carinhosamente conhecida, é muito concorrida em quase todos os terreiros do país, e geralmente são preparadas exclusivamente com doces, bolos, balas e refrigerantes. Porém na Bahia, as festas para as crianças tem duração de um mês, iniciando em 27 de setembro, dia de Cosme e Damião, e terminando em 25 de outubro, devido a ligação que há entre Crispim e Crispiniano. Nas mesmas sãos oferecidos abará, acarajé, pipoca, vatapá, azeite, milho branco, feijão preto, feijão fradinho, ximxim de galinha, arroz branco, farofa de mel, banana da terra frita, amendoim assado, coco seco cortado em tirinhas, inhame, abóbora, batata doce, rapadura, ovo em rodelas e cana cortada em tiras que fazem parte do típico prato "Caruru de Cosminho", também conhecido como "Caruru dos sete meninos", que representam os sete irmãos: Cosme, Damião, Doum, Alabá, Crispim, Crispiniano e Talabi. No dia da festa, os primeiros a serem servidos são São Cosme e São Damião e as oferendas são precisamente colocadas no altar decorado para a ocasião. Procedida a cerimônia, chamam-se os sete meninos, especialmente convidados para iniciar a comilança. A tradição manda que se prepare uma roda de sete meninos, onde é colocada uma toalha de mesa no chão e as crianças se sentam ao redor. Eles comem com as mãos em pequenos pratinhos de barro, ou em um único prato grande como uma bacia. Conforme os garotos estão comendo, no seu lambuzado e na sua alegria, os adultos ao redor cantam deliciosas toadas. Quando acabam, levantam a tigela e cantam:


Vamos levantar
O Cruzeiro de Jesus
No céu, no céu, no céu
A Santa Cruz

Antes, outras canções são entoadas, com grande entusiasmo dos presentes, meninos ou adultos:


São Cosme me mandou fazer
Uma camisinha azul
Quando chega o dia dele
São Cosme quer caruru

E mais:

Cadê sua camisa
Dois-dois!
Dois jogando bola
Com ela
Dois jogando bola
Quem não tem pena
Mamãe
Quem não tem dó de ver 
Dois-dois

Na roda
Brincando só
Cosme e Damião
Ogum e Alabá
Vamos catar conchinha
Na beira do mar

O poder do machado de Xangô - Parte 2