11 de abril de 2012

Axé dos Presentes

Saudação:
Mo pín meu òrò  (Eu compartilho minha riqueza [a comida da mesa]) 

Download:
Axé dos Presentes - Mp3
Axé dos Presentes - Pdf


T - Oní mo níwà sun pín wá sun pín òrò (Hoje eu tenho bom caráter, abraço e compartilho, procuro dividir a minha riqueza)
R - Oní mo níwà sun pín wá sun pín òrò (Hoje eu tenho bom caráter, abraço e compartilho, procuro dividir a minha riqueza)

Oxalá

Saudação:
Tamboreiro - Ajúbà Òòsà-nlà l’okun, b’okun, dòkun, jobokun, oromilaiyà, orumilayà, òrìsà talabí, oubàtálá, bàbá eniyán, onífá, bàbá igbó, elerun, bàbá ogìyán, aláàfìa bàbá wa! (Respeitamos a Oxalá no mar, como o mar e desde o mar, que dança como as ondas, espírito valente das águas, que de noite treme de dor, Orixá do princípio, rei da pureza, pai da gente, possuidor do oráculo, pai do bosque sagrado, dono do sol, comedor de inhame pilado, paz nosso pai)
Responder - Èèpà bàbá! (Pai de linhagem nobre!) 

Download:
Reza Orixá Oxalá - Mp3
Reza Orixá Oxalá - Pdf


T - E jí yá wá wá ou! Bàbá ìsòrò (Desperte logo, venha pai da expressão)
R - E jí wáiyé bàbá’rúnmalè e jí wá (Desperte, venha ao mundo pai dos Orixás, desperte e venha)
T - Elú’ wà pè kó ou bàbá (Senhor da existência, você chama e ensina pai)
R - Elú’ wà pè kó erúnmalè (Senhor da existência, chama e ensina espírito de luz)
T - Elú’ wà pè kó omo jà (Senhor da existência, chama e ensina ao filho que luta)
R - Elú wà pè kó erúnmalè (Senhor da existência, chama e ensina espírito de luz)
T - Tutor l’omi l’àwa’ nà réè wò! Kó rí foribalè (Temos alegria na água, deste caminho cuidemos! Aprendemos a inclinar a cabeça para o chão)
R - Olomi’ nà ou aladé k’ori foribalè (Dono do caminho de água, dono da coroa, recolhe as cabeças que se inclinam perante a ti)
T - Tutor fi òla tutor fi òa Yèyé bàbà’ runmalé (Alegria pela manhã, alegria pela manhã, mãe do ouro e dos espíritos de luz)
R - Tutor fi òla tutor fi òa yèyé bàbà’ runmalé (Alegria pela manhã, alegria pela manhã, mãe do ouro e dos espíritos de luz)
T - Á mã k’èrè k’èrè k’èrè, wá mã k’èrè dê òrìsà (Venha sempre recolher os lucros, recolhe os prêmios, chega Orixá)
R - Á mã k’èrè k’èrè k’èrè, wá mã k’èrè dê òrìsà (Venha sempre recolher as lucros, recolhe os prêmios, chega Orixá)
T - Omi nem’nà bá tìyà omi nem’nà bá lókun (Água no caminho, deixa pra trás o sofrimento, água no caminho encontra força)
R - Omi nem’nà bá tìyà omi nem’nà bá lókun (Água no caminho deixa pra trás o sofrimento, água no caminho encontra força)
T - Wolé wolé wolé omi á seu bàbá ìsòrò (Entre à casa, entre à casa água, deve remar pai da expressão)
R - Wolé wolé wolé omi á seu bàbá ìsòrò (Entre à casa, entre à casa água, deve remar pai da expressão )
T - Wolé wá ou! Wolé dê bàbá ou! (Oh! Entre à casa, venha! Entre à casa, chegue pai!)
R - Wolé wá ou! Wolé dê bàbá ou! (Oh! Entre à casa, venha! Entre à casa, chegue pai!)
T - E bàbá lokè fun meu bòkun (Senhor, pai é o topo para mim, me cubra de poder)
R - Òkêrè ké o bò má yà tutor òkêrè ké o bò má yà (Na distância corta a dureza, cobre e não desvie a alegria, na distância corta a dureza, cobre e não te desvie)
T - E mã wá e p’ rúnmalè odò (Senhor venha sempre, chame os espíritos de luz do rio)
R - Erò e mã wá e p’ rúnmalè odò erò (Com calma sempre venha, chame os espíritos de luz do rio com calma)
T - Àlà mókèé mókèé sé (A pureza traz o êxito)
R - Àlà ou ou ou! bàbá (Oh a pureza! Pai)
T - Òòsà-nlà dê òròmi là ìyà bàbà yi sòro òròmi là ìyà (Oxalá chega espírito da água, nos salve do sofrimento, assim como o ouro resiste à dificuldade, espírito da água nos salve do sofrimento)
R - Òòsà-nlà dê òròmi là ìyà bàbà yi sòro òròmi là ìyà (Oxalá chega espírito da água, nos salve do sofrimento, assim como o ouro resiste à dificuldade, espírito da água nos salve do sofrimento)
T - Òòsà-nlà dê òròmi là ìyà, òròmi là ìyà yi sòro (Oxalá chega espírito da água, nos salve do sofrimento espírito da água, nos salve do sofrimento resistindo à dificuldade)
R - Òòsà-nlà dê òròmi là ìyà, òròmi là ìyà yi sòro (Oxalá chega espírito da água, nos salve do sofrimento espírito da água, nos salve do sofrimento resistindo à dificuldade)
T - Eiye iye ou! Í yé òròmi là ìyà (Oh! Aves numerosas! Espírito da água nos salve do sofrimento)
R - Eiye iye ou! Í yé òròmi là ìyà (Oh! Aves numerosas! Espírito da água nos salve do sofrimento)
T - Bé l’èrù bé l’erù bé l’èrùn òrìsà-nlá malè odò (Corta os medos, corta as águas, corta a seca, grande Orixá espírito do rio)
R - Bé l’èrù bé l’erù bé l’èrùn òrìsà-nlá malè odò (Corta os medos, corta as águas, corta a seca, grande Orixá espírito do rio)
T - Aláfìn oulá yè dê bàbá’ré wá (Dono do palácio, da honra de estar vivo, chegue pai bendito, venha)
R - Aláfìn oulá yè dê bàbá’ré wá (Dono do palácio, da honra de estar vivo, chegue pai bendito, venha)
T - Òòsà-nlà bé l’èrù (Oxalá corta os medos)
R - Epere mã f’altar (Melhor sempre usar o corpo)
T - Má kosè Òòsà-nlà má kosè bàbá igbó má kosè (Não tropece Oxalá, não tropece pai do bosque sagrado, não tropece)
R - Bàbá igbó má kosè Òòsà-nlà má kosè bàbá igbó má kosè (Pai do bosque sagrado, não tropece, Oxalá não tropece)
T - Sá padà ou siré! (Corra e volte a divertir-se!)
R - F’altar b’odò (Use o corpo como o rio)
T - E kí’ lú wá pés’orò í là ou, e kí’ lú wá pés’orò í là ou, bàbá ou sim mã, ìyá là ou sim mã, e kí’ lú wá pés’orò í là ou (Nos visite senhor, venha, faça-se presente espírito, nos salve pai, você está sempre presente. Mãe nos salve, você está sempre presente)
R - E kí’ lú wá pés’orò í là ou, e kí’ lú wá pés’orò í là ou, bàbá ou sim mã, ìyá là ou sim mã, e kí’ lú wá pés’orò í là ou (Nos visite senhor, venha, faça-se presente espírito, nos salve pai, você está sempre presente. Mãe nos salve, você está sempre presente)
T - Ou kí kí obì õfà rí ré wò, ou kí kí obì õfà rí ré, obì õfà òrun, obì õfà Òsum ou kí kí obì õfà rí ré wò (Nos visita, venha Orixá da noz de cola, atrai a visão e olhe a sorte, noz de cola venha do céu, noz de cola seduz a Oxum, atrai a visão e olhe a sorte)
R - Ou kí kí obì õfà rí ré wò, ou kí kí obì õfà rí ré, obì õfà Òrun, obì õfà Òsum ou kí kí obì õfà rí ré wò (Nos visita, venha Orixá da noz de cola, atrai a visão e olhe a sorte, noz de cola venha do céu, noz de cola seduz a Oxum, atrai a visão e olhe a sorte)
T - Yèwo ou yèwo! Awo Òòsà-nlà òrúnmilà í là ou (Investiga, examina! Adivinho, grande Orixá Orumilaia, nos salve)
R - Yèwo ou yèwo! Awo yèwo dê òrúnmilà yá (Investiga, examina! Adivinho investiga, chega Orumilaia logo)
T - Olú pepe ou! airà bàbà já nire olúfá í rà (Oh! Professor dos jovens! Sem redenção até o ouro se rompe, tem boa sorte o professor de Ifá que ainda se redime)
R - Olú pepe ou! airà bàbà já nire olúfá í rà (Oh! Professor dos jovens! Sem redenção até o ouro se rompe, tem boa sorte o professor de Ifá que ainda se redime)
T - Kó l’imò kó l’imò kún (Recolhe o conhecimento e nos preencha com ele)
R - F’ara rá ìjó kó l’imò kún f’ara rá yí (Usa o corpo arrastando-o à dança, recolhe o conhecimento e preenche, usa o corpo arrastando-o à transformação)
T - Yèyé èpa bi yàn, yèyé èpa bi yàn, á má sé o òní b’òkun má korò, yèyé èpà bi yàn á má sé o òní b’òkun má korò (Mãe da jarra medicinal do nascimento escolha, venha e não se vá, hoje cruze o mar e não se amargure)
R - Yèyé èpa bi yàn, yèyé èpa bi yàn, á má sé o òní b’òkun má korò, yèyé èpà bi yàn á má sé o òní b’òkun má korò (Mãe da jarra medicinal do nascimento escolha, venha e não se vá, hoje cruze o mar e não se amargure)
T - Á bá là ijùgbè, á bá là ijùgbè, á má sei o òní b’òkun má korò, á bá là ijùgbè, á má sei o òní b’òkun má korò (Venha, encontre e salve professor dos jovens, venha, não se vá, hoje cruze o mar e não se amargure)
R - Á bá là ijùgbè, á bá là ijùgbè, á má sei o òní b’òkun má korò, á bá là ijùgbè, á má sei o òní b’òkun má korò (Venha, encontre e salve professor dos jovens, venha, não se vá, hoje cruze o mar e não se amargure)
T - Onà jé ou adúpe ré ou! (Oh! O caminho cumprimos e lhe agradecemos)
R - Onà jé ou adúpe ré ou! (Oh! O caminho cumprimos e lhe agradecemos)
T - Babá sei ké tún l’erè uma là (Pai faz com que se renove a adoração à serpente, nos salve de sua picada)
R - Babá sei ké tún l’erè uma là (Pai faz com que se renove a adoração à serpente, nos salve de sua picada)
T - Ìlekè’ lekè d’omi ou! (O colar, o colar vem da água)
R - Bàbá òrìsà d’omi ou! (O pai dos Orixás vem da água)
T - Òrìsà tàlà ásou’minha ré ou odòlómi ná wè odòlómi ná wè òrìsà tàlà assou’minha ré ou (O Orixá das roupas brancas benze a água, o rio tem água para gastar, o Orixá das roupas brancas benze a água)
R - Òrìsà tàlà ásou’minha ré ou odòlómi ná wè odòlómi ná wè òrìsà tàlà assou’minha ré ou (O Orixá das roupas brancas benze a água, o rio tem água para gastar, o Orixá das roupas brancas benze a água)
T - Olórun e jí hù p ao ba’lú ri olórò (Dono do céu desperte e te manifeste, nós percebemos-lhe no povo e o reverenciamos, dono dos espíritos)
R - Olórun e jí hù p ao ba’lú ri olórò (Dono do céu desperte e te manifeste, nós percebemos-lhe no povo e o reverenciamos, dono dos espíritos )
T - Ou yà ou álá (Você dá um passo à sua grande luz)
R - Òkè sei okè sei (O faça no topo)
T - Yé ebi ebi á jeum ou elébi ebi á jeun ou oní bàbá elépe ou á meu mõre meu jà kún dêem ou oní bá bí f’ouba elépe ou (Entende que a viagem dá fome, vem comer algo senhor faminto da travessia, vem comer algo hoje, pai dono do chamado, vem à mim me engrandecendo, te esforce em preencher e criar, hoje passa aqui pelo rei que está chamando)
R - Yé ebi ebi á jeum ou elébi ebi á jeun ou oní bàbá elépe ou á meu mõre meu jà kún dêem ou oní bá bí f’ouba elépe ou (Entende que a viagem dá fome, vem comer algo senhor faminto da travessia, vem comer algo hoje, pai dono do chamado, vem à mim me engrandecendo, te esforce em preencher e criar, hoje passa aqui pelo rei que está chamando)
T - Òrìsà meu mõre meu jà kún dêem ou (Meu Orixá me engrandeça, te esforce, preenche e crie)
R - E o bàbá elépe ou (O senhor é forte, pai dono do chamado)
T - Ou lélè mbá rà ou lélè mbá rà ou olófin á òrìsà-nlà olófin á ou bàbá (Você está na terra, está tentando reparar, dono do palácio, vem grande Orixá dono do palácio, vem pai)
R - Ou lélè mbá rà ou lélè mbá rà ou olófin á òrìsà-nlà olófin á ou bàbá (Você está na terra, está tentando reparar, dono do palácio, vem grande Orixá dono do palácio, vem pai)
T - E o kiákiá kún fè rere (O senhor é forte, rapidamente preenche e estende as coisas boas)
R - Babalásè ké a jù p òrò (Pai do poder corta nossos excessos, que permaneça a riqueza)
T - Òòsà-nlà lé’rùn, Òòsà-nlà lé’rùn olófín á òrìsà-nlà olófín ou bàbá (Oxalá afasta a seca, Oxalá afasta o sol, dono do palácio vem grande Orixá, pai dono do palácio)
R - Òòsà-nlà lé’rùn, Òòsà-nlà lé’rùn olófín á òrìsà-nlà olófín ou bàbá (Oxalá afasta a seca, Oxalá afasta o sol, dono do palácio vem grande Orixá, pai dono do palácio)
T - E bò Òòsà-nlà òrìsà-nlà e bò Òòsà-nlà òrìsá-nlà ebi t’ánà bò e bò Òòsà-nlà òrìsà-nlà (Senhor retorne Oxalá, grande Orixá retorne da viagem pelo caminho, cubra-se grande Orixá)
R - E bò Òòsà-nlà òrìsà-nlà e bò Òòsà-nlà òrìsá-nlà ebi t’ánà bò e bò Òòsà-nlà òrìsà-nlà (Senhor retorne Oxalá, grande Orixá retorne da viagem pelo caminho, cubra-se grande Orixá)
T - E bò olófin á òrìsà-nlà (Senhor retorne dono do palácio, venha grande Orixá)
R - E bò olófin á òrìsà-nlà (Senhor retorne dono do palácio, venha grande Orixá)
T - Oní mó’ kùn sei rà oní mõkún sei rà (Hoje manifeste-se e faça a reparação)
R - Bàbá igbó oní mõkún sei rà (Pai do bosque sagrado, hoje manifeste-se e faça a reparação)
T - Oní mõkún sirei (Hoje manifeste-se e divirta-se)
R - Bàbá l’ijà (Pai tem que lutar)
T - Òòsà-nlà kó meu yà ásou bàbá yí kékè, Òòsà-nlà kó meu yà ásou olú rere sese (Oxalá me ocupe, separa a roupa pai e me transforme rapidamente, Oxalá me ocupe, separa a roupa senhor das coisas boas e simples)
R - Òòsà-nlà kó meu yà ásou bàbá yí kékè, Òòsà-nlà kó meu yà ásou olú rere sese (Oxalá me ocupe, separa a roupa pai e me transforme rapidamente, Oxalá me ocupe, separa a roupa senhor das coisas boas e simples)
T - Bàbá sé’ seu kè l’erò oní mõkún dú l’erò bàbá bàbá sei seu kè l’erò elú lélè là ìpò (Pai atue no topo, reme com calma, hoje manifeste-se, se negue a ter calma pai. Pai atue no topo, reme com calma, o senhor está no mundo, distribua a fartura)
R - Bàbá sé seu kè l’erò Bàbá sei seu kè l’erò bàbá bàbá sei seu kè l’erò lélè e lélè ou! (Pai atue no topo, reme com calma, atue no topo pai, reme com calma, ele está no mundo, o senhor está na terra)
T - Lé’correio! (Afastem o azeite de dendê!)
R - L’erò’ lé lélè ou (Tenham calma na casa, ele está no mundo)
T - Lókè bò meu nà (Retorne suave para mim, deita-se)
R - Bájà yí (Transforme a luta)
T - Òrìsà wènem b’okun (O Orixá lava a gente como o mar)
R - Bàbá òrìsà wènem b’okun o (Pai Orixá lava a gente como o mar)
T - Mo balè mo balè! (Eu me inclino para a terra)
R - Wí nem wí nem mo balè! (Fale hoje que eu me inclino para a terra)
T - Otà wè ‘tà wè ‘tà wè dê bàbá ‘tà wè (A pedra sagrada lava, lava a pedra sagrada, chega pai para lavar a pedra)
R - Otà wè ‘tà wè ‘tà wè dê bàbá ‘tà wè (A pedra sagrada lava, lava a pedra sagrada, chega pai para lavar a pedra)
T - Tò’lú tàlà’ lú’fá yìn, tò’lú tàlà’ lú’fá ou! (Prova ao povo que existe desde o começo, adorado senhor de Ifá, prova ao povo que existe desde o começo, senhor de Ifá!)
R - Tò’lú tàlà’ lú’fá yìn, tò’lú tàlà’ lú’fá ou! (Prova ao povo que existe desde o começo, adorado senhor de Ifá, prova ao povo que existe desde o começo, senhor de Ifá!)
T - E kalè kalè kale jó! (Sinta-se, sente-se venerável ancião dançador!)
R - E rè’ré rè kale jó! (Senhor se cansa no esporte ancião dançador)