4 de janeiro de 2012

Águas de Oxalá

As Águas de Oxalá é um rito de renovação do Ori, em reverência ao Orixá da criação. A característica específica desse ritual é a presença da cor branca interagindo nas vestes dos participantes e nos objetos. O colorido dos panos da costa cede lugar ao branco, a cor africana ligada aos rituais de nascimento e morte. Do portão de entrada do terreiro até a porta do barracão e demais dependências, é estendido sobre as cabeças uma peça ou mais de trunfa branca, cobrindo como um teto os orís de todos. Na maioria das casas, o ritual começa na madrugada da sexta-feira com a confecção do baluwê (pequena cabana feita com bambús e de folhagens de coqueiros), que servirá como assento de Oxalá . Começará então a procissão de ir no rio pegar água fresca, cada um com sua quartinha sobre seus orís para depois levarem até a cabana de Oxalá e lá a Ialorixá ou Babalorixá estará esperando todos e em ordem hierárquica, receberá as quartinhas com água e lavará o orí de cada um. Esse ritual é feito em todos que se encontrarem na casa, abians, iniciados e visitantes, sem exessão, o orí se renova.  São feitas três viagens ao rio, e, na terceira, a água não é mais derramada, ficando todas as quartinhas cheias depositadas no baluwê, sendo colocada uma cortina branca na porta e uma esteira no chão. Cada pessoa que chega bate cabeça em sinal de reverência. Depois dessa cortesia, a Ialorixá ou Babalorixá, juntamente com todos os seus filhos, começa a cantar uma saudação para Oxalá :

Babá êpa ô
Babá êpa ô
Ará mi fo adiê
Êpa ô
Ará mi ko a xekê
Axekê koma do dun ô
Êpa Babá

Depois de cantada essa saudação, todas as pessoas pertencentes à Oxalá são por ele manifestadas e vão até o baluwê, fazendo ali determinadas reverências e cumprimentam a todos, agradecendo o sacrifício daquele dia e rogando a Oduduá para abençoar a todos.

Ocutá

Ocutá, Otá ou Etá é uma pedra-fetiche. É o ímã que atrai o Orixá, o ponto principal entre o Orixá e a pessoa, podendo ser, preferencialmente de rio, ou de outra parte da natureza, sobre a qual o axé de um Orixá é fixado. Cada Orixá tem o seu ocutá e é por ele que o médium deve começar a constituição dos fundamentos do assentamento do seu próprio Orixá.
O ocutá deverá ser sempre de pedra. Há alguns Babalorixás e Ialorixás que adotam como ocutá para certos Orixás, um vulto em madeira ou metal, porém, o ocutá em pedra é insubstituível, pois se trata de algo feito pela própria natureza ha milhões de anos, e o vulto em madeira ou metal é apenas uma ferramenta que acompanha o ocutá em sua feitura.
Os ocutás são distintos em forma, cor, consistência e tamanho, devendo ser escolhido de acordo com o Orixá que será assentado. 
Bará: Pedra em forma piramidal
Ogum: Pedra em forma de capacete ou espada
Iansã: Pedra em forma arredondada e chata, de cor avermelhada
Xangô: Pedra em forma de machado
Odé: Pedra em forma semicilíndrica, lembrando um arco
Otim: Pedra em forma arredondada
Obá: Pedra em forma de uma orelha
Ossanhe: Pedra em forma de pé
Xapanã: Pedra em forma de porongo, ou pedra porosa de cor escura
Oxum: Pedra em forma de coração de cor amarela
Iemanjá: Pedra brilhosa em forma arredondada de cor  branca, azul ou lilás
Oxalá: Pedra brilhosa arredondada ou em forma de rosto, de cor branca



"Se existe homem que adora santo de  madeira feito por ele, eu adoro a pedra, o santo negro que é a natureza"
Mãe Menininha do Gantois
Quem é de axé diz que é

Filhos de Oxalufã

Teimosos, calmos e dignos, os filhos do Oxalá velho não mudam seus planos e aceitam as consequências. Frágeis, irritam os outros com sua prepotência. Não sabem perdoar, se fizeram para eles, haverá retorno. Pão duros, podem ficar afastados dos instintos carnais. Friorentos e líderes, podem ter defeito de nascença no corpo. Possuem auto controle, são observadores e odeiam barulho, sujeira e desordem.

Epa Ô Babá!

Filhos de Oxaguiã

Altos, robustos e bons amigos, os filhos do Oxalá novo gostam de mandar, mas não aceitam serem mandadas. Vaidosos, brincalhões, faladores, alegres, intuitivos, sonsos e preguiçosos, são pessoas que tendem a ter dificuldades no emprego e que dividem tudo que tem. Gostam da vida e procuram impressionar. 
Epa Ô Babá!

Filhos de Iemanjá

Imprevisíveis, os filhos de Iemanjá são muito ciumentos e desconfiados, podem perdoar, mas jamais esquecem uma ofensa. De muito bom gosto, vitoriosos nos negócios. Fazem as coisas e tiram o corpo fora. Exigentes no respeito à posição assumida. São mães e esposas zelosas. 
Odo Omio!

Filhos de Oxum

Os filhos de Oxum, embora meigos e gentis, podem ser perigosos. O rio está calmo, mas a pessoa se afoga. Detestam escândalos, pois se preocupam muito com a opinião dos outros. São vaidosos, delicados, muito emotivos, chorões e falsos. Muitas vezes são dependentes e com problemas conjugais. Sorridentes, astutos e as vezes preguiçosos. 

Ora Ie Ieu!

Filhos de Xapanã

Resistente diante de doenças, os filhos de Xapanã são de relacionamento social difícil. Os homens geralmente não tem sorte com as mulheres, e as mulheres geralmente não são boas mães. Gostam da família e dedicam-se a outras pessoas a ponto de esquecer de si próprias. Reservados e caseiros, gostam de se modificar. Não admitem que nada lhes seja tomado, o que é seu, é seu. São responsáveis e tem muita intuição. 

Aba Ô!

Filhos de Obá

Valorosos, os filhos de Obá temem a solidão. Se destacam no trabalho, são determinadas e possessivas. Fortes, não levam desaforo para casa. Julgam-se superiores junto aos maridos ou a outras mulheres. Ambiciosas, buscam nada perder. De atitudes agressivas em consequência de experiências não bem sucedidas. 

Exó!

Filhos de Ossanhe

Frágeis, de saúde delicada, os filhos de Ossanhe são ligados a família, mas gostem de viver independentes. Carentes, prestativos, desinteressados, são dados a estudos e dotados de muita energia. São desligados e esquisitos, gostam de tudo como está, sem ambições. Dados a reflexões, sonhadores, preservam a liberdade.

Ewe Ô!

Filhos de Otim

Os filhos de Otim apresentam forte necessidade de independência e de rompimento de laços. Tem o gosto pelo ficar calado, a necessidade do silêncio e desenvolver as observações. São joviais, rápidos e espertos, tanto mental como fisicamente. Possuem grande capacidade de concentração e de atenção, aliada a firme determinação de alcançar seus objetivos e paciência para aguardar o momento certo para agir. Sua luta é baseada na necessidade de sobrevivência e não no desejo de expansão e conquista. São companheiros inseparáveis, espertos e com iniciativa, gostam de descobertas e novidades. São místicos e muito intuitivos. O lado emocional é sua característica mais marcante, pois é carismático e carinhoso. Costumam ser indecisos e inseguros, mas adoram se apresentar em público e ser o centro das atenções.

Iamorô!