18 de dezembro de 2012

Nanã Buruku

Nanã não é cultuada como Orixá independente em nossa Nação, e sim como uma qualidade de Iemanjá. É uma orixá muito antiga, que em diversos mitos aparece como co-criadora do mundo (no mesmo patamar de Oxalá e de Olorum). É uma das esposas de Oxalá (ao lado de Iemanjá) e em muitas regiões brasileiras recebe o carinhoso apelido de Vovó. Tem como atributos a fecundidade, a riqueza e o ciclo de morte e renascimento. Seu domínio é a lama, mistura de terra e água que simboliza a origem da vida. Nanã é a senhora da morte, e responsável pelos portais de entrada (reencarnação) e saída (desencarne). Em sua passagem pela Terra, desprezou seu filho primogênito com Oxalá, Xapanã, por ter nascido com várias doenças de pele. Não admitindo cuidar de uma criança assim, acabou abandonando-o numa praia. Foi achado por Iemanjá que o curou e o criou como se fosse sua mãe, dando todo o amor e carinho. Nanã é dona de um cajado, o ibiri. Suas roupas parecem banhadas em sangue, Orixá das águas paradas que mata de repente, ela mata uma cabra sem usar faca. Nanã desconhece o ferro por se tratar de um Orixá da pré-história, anterior à idade do ferro. Ela é o princípio, o meio e o fim; o nascimento, a vida e a morte. É a origem e o poder. Entender Nanã é entender o destino, a vida e a trajetória do homem sobre a terra, pois Nanã é a história. Nanã é água parada, água da vida e da morte.

Características dos filhos de Nanã
Os filhos de Nanã são pessoas extremamente calmas, são lentas no cumprimento das suas tarefas que chegam a irritar. Agem com benevolência, dignidade e gentileza. As pessoas de Nanã parecem ter a eternidade à sua frente para acabar os seus afazeres; gostam de crianças e educam-nas com excesso de doçura e mansidão, assim como as avós. São pessoas que no modo de agir e até fisicamente aparentam mais idade. Podem apresentar precocemente problemas de idade, como tendência a viver no passado, de recordações, apresentar infecções reumáticas e problemas nas articulações em geral. As pessoas de Nanã podem ser teimosas e ranzinzas, daquelas que guardam por longo tempo um rancor ou adiam uma decisão. Porém agem com segurança e majestade. As suas reações bem equilibradas e a pertinência das suas decisões mantêm-nas sempre no caminho da sabedoria e da justiça. Embora se atribua a Nanã um carácter implacável, os seus filhos têm grande capacidade de perdoar, principalmente as pessoas que amam. São pessoas bondosas, decididas, simpáticas, mas principalmente respeitáveis.


Dia: Terça-feira
Cores: Anil, branco e roxo
Símbolo: Bastão de hastes de palmeira (Ibiri)
Elemento: Terra, água, lodo
Domínios: vida e morte, saúde e maternidade
Saudação: Salubá!

5 comentários:

  1. Acho que a presente postagem deveria apresentar Nanã tal qual é cultuada dentro do Batuque, mesmo em sua sincretização com Iemanjá. Não Enveredar pelo senso comum buscando respaldos em outras tradições religiosas. Ficaria mais original e autêntico.
    Inclusive para mim que pesquiso sobre o Orixá Nanã gostaria de saber mais sobre essa qualidade de Iemanjá-Nanã presente na liturgia do Batuque.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Wanderley
      Aqui postamos sobre a Nanã tal como a mesma é cultuada no Candomblé, assim como fizemos com Oxumaré, Logunedé e Ewá, que não são Orixás cultuados no Batuque, porém vale a pena conhecermos um pouco sobre. Falamos sobre Nanã como é cultuada no Batuque, se apresentando como Iemanjá velha, na postagem "Iemanjá - Dona do Pensamento" que se encontra na barra inferior esquerda.

      Excluir
    2. Olá, eu gostaria de saber em quais nações ela é cultuada? Desculpe o incomodo.

      Excluir
    3. Temos conhecimento de que aqui no RS Nanã é cultuada na Nação Nago Yorubá, nas demais ela é cultuada como Iemanjá

      Excluir
  2. Ola nanã também e cultuada na nação ketu

    ResponderExcluir