2 de abril de 2012

Xangô

Saudação:
Tamboreiro - Ajúbà Sàngó kámùka, Sàngó aganjú Ìbejì, Sàngó aganjú déyi ogodo, Sàngó Oubakòsó, olúfinná bàbá Aláàfin! Káwó kábíyèsí lè Oba Sàngó! (Respeitamos o Xangô, facão que corta e desaparece, Xangô que de seu trono está olhando os gêmeos sagrados, Xangô que 
de seu trono está olhando chegar forte como um bezerro, Xangô o rei que não se enforcou, senhor que usa o fogo, pai dono do palácio. Domina o mundo sua alteza, Rei Xangô!)
Responder - Kawó kábíyèsí lè! (Domina o mundo sua alteza!)

Download: 
Reza Orixá Xangô - Mp3
Reza Orixá Xangô - Pdf



T - Alárun dê Sàngó ká mù’k Bàbá ou bá rò’ fim là (Chega dono do céu Xangô, facão que corta e desaparece, pai você surpreende, edita as leis, aparece)
R - Alárun dê Sàngó ká mù’k Bàbá ou bá rò’ fim là (Chega dono do céu Xangô, facão que corta e desaparece, pai você surpreende, edita as leis, aparece)
T - Alárun dê! (Chega dono do céu)
R - Sàngó ká mù’k (Xangô, facão que corta e desparece)
T - Bàbá rò’ fim là (Pai você edita as leis e aparece)
R - Sàngó ká mù’k (Xangô, facão que corta e desparece)
T - Wólè wólè wólè kábíyèsílè àdé! (Baixamos o rosto, reverenciamos sua alteza e a coroa)
R - Wólè wólè wólè kábíyèsílè àdé! (Baixamos o rosto, reverenciamos sua alteza e a coroa)
T - L’òkè ! (Nas alturas)
R - Sá bu èlò (É instrumento que corre e corta [o raio])
T - Olúwa gun bàábo igbó elefà l’òrìsà, olúwa gun bàábo igbó elefà nú ebo (Nosso senhor sobe à árvore de grandes folhas no bosque sagrado, você que atrai o que tem Orixá, sobe à árvore do bosque, você que atrai a limpar as oferendas)
R - Olú wò gùn má bó igbo èle fà l’òrìsà, olú wò gùn má bó igbo èle fà l’òrìsà (Senhor que observa de tão alto, que não escape o covarde de ser atraído à violência do Orixá)
T - Olúghohún má bó igbo èle fà l’òrìsà, olú wò gùn má bó igbo èle fà l’òrìsà (Julga o que viola a tradição, que não escape o covarde de ser atraído à violência do Orixá)
R - Olú wò gùn má bó igbo èle fà l’òrìsà, Olú wò gùn má bó igboèle fà l’òrìsà (Senhor que observa de tão alto, que não escape o covarde de ser atraído à violência do Orixá)
T - Aganjú èkó meu’nà’ wè jéjé ori jéjé Aganjú èkó meu’nà’ wè jéjé ori Sàngó (Aganju me ensine também o caminho de cumprir a tradição de minha cabeça, a cumprir os juramentos, ensina me a cumprir a tradição de ter a cabeça do Xangô)
R - Aganjú èkó meu’nà’ wè jéjé ori jéjé Aganjú èkó meu’nà’ wè jéjé ori Sàngó (Aganju me ensine também o caminho de cumprir a tradição de minha cabeça, a cumprir os juramentos, ensina me a cumprir a tradição de ter a cabeça do Xangô)
T - Òdodo sim èmi r’emi Aganjú màá ní sé oulà, òdodo mò èrè meu Sàngó, Àgànjú màá ní sé olà (Justiça para mim Aganju, que sempre faça e tenha honra, que sempre saiba a verdade que me beneficia Xangô Aganju, que sempre faça e tenha honra)
R - Òdodo sim èmi r’emi Aganjú màá ní sé oulà, òdodo mò èrè meu Sàngó, Àgànjú màá ní sé olà (Justiça para mim Aganju, que sempre faça e tenha honra, que sempre saiba a verdade que me beneficia Xangô Aganju, que sempre faça e tenha honra)
T - Àgúnta ou! (Crave meus inimigos)
R - Màá nísé olá ! (Sempre tem trabalho e honra)
T - Ga màá aládé ou! (Oh elevado, sempre dono da coroa)
R - Lókun kerèrè! (Força de longe)
T - Ìbò moore! (Retorna engrandecido)
R - Kerèkè ìbò moore kerèkè! (De longe você retorna engrandecido)
T - Sorò sorò ou ní’godo (Para a festa anual espiritual de passagem tem tambor)
R - Sorò sorò ou ní’ Sàngó (Para a festa anual espiritual tem Xangô)
T - Akun bè’ rí (Adornado com contas sagradas roga pela cabeça)
R - Àrá akun bè’ rí àrá (Trovão com contas sagradas, roga pela cabeça, trovão)
T - Àgànjú ekùn èrè p (Aganju leão, te manifeste)
R - Àgànjú ekùn s’ara yà (Aganju leão, te manifeste no corpo)
T - S’ara yà ká fá’mode s’ara yà ká fá’mode wò! (No corpo te manifeste, recolhe e ampara o filho [noviço], cuida-o)
R - Ou yà’ ba dilé s’ara yà ká fá’mode! (Você que é rei da casa te manifeste no corpo, recolhe e ampara o filho)
T - Onípè nem Sàngó (Quem chama é Xangô)
R - Abá’ deu onípè ou yá bá’ deu (O pilão e o caminho estão chamando, você logo encontra o
pilão)
T - Ègé bò’ré wa Agodó sá là sá là sá ou! (Evita os empecilhos e traga nossa bênção espírito do tambor, corre, corre e nos salve)
R - Ègé bò’ré wa Agodó sá là sá là sá ou! (Evita os empecilhos e traga nossa bênção espírito do tambor, corre, corre e nos salve)
T - Kan’lù’lù, kan’lù’ lù dê (Chega o toque do tambor)
R - Ounà rèé ou kan’lù’lù dê (Esse é o caminho, que chegue o toque do tambor)
T - Aká ká tigbó Sàngó, àká ká bàbá na’ ré wa (Xangô é o que recolhe a colheita no monte, usa sua colheita para aumentar o fogo. Pai, use esse fogo para que aumentem nossos bens)
R - A yé ààyè ààyè, a yé ààyè ààyè! (Ah! Por favor, vida, vida)
T - K’ lú’ lú dê, a’ lú’ lú dê, è dè’ káàbò kábíyèsílè ayé, è dê káàbò kábíyèsílè ayé (Chega o que enche o povo, chega Xangô sua alteza real ao mundo, bem vindo sua alteza real ao mundo!)
R - K’ lú’ lú dê, a’ lú’ lú dê, è dè’ káàbò kábíyèsílè ayé, è dê káàbò kábíyèsílè ayé (Chega o que enche o povo, chega Xangô sua alteza real ao mundo, bem vindo sua alteza real ao mundo!)
T - Olokun dê ou! (Chega e nos preenche!)
R - Altar dê kún dê kún dê kaá! (Trovão, chega e preenche tudo, chega e preenche)
T - Ara kún dê! (Trovão chega e preenche)
R - Altar dê kún dê kún dê kaá! (Trovão, chega e preenche tudo, chega e preenche)
T - Sovo ibò yé! (Por favor retorna vodum Sovo)
R - Aiokò lái-lái sànbo ilúwe aiokò lái-lái? (Sem embarcação, o que passará na inundação? Deve nadar sem embarcação? O que acontecerá?)
T - Sovo ndé! (O vodum Sovo está chegando!)
R - Akágun alárun dê, ayé, aiyé, akágun alárun dê (Conquistador, dono do céu chegue ao mundo, à vida, conquistador, dono do céu, chegue)
T - Olókun dê! (Chega e nos preenche!)
R - Akágun alárun dê, ayé, aiyé, akágun alárun dê (Conquistador, dono do céu chegue ao mundo, à vida, conquistador, dono do céu, chegue)
T - Sovo báyi alárun dê, Sovo báyi alárun dê, bá yi alárun dê, Sovo bá yi alarun dê ou! (Sovo dono do céu, chega Sovo dono do céu, passa resistente e chega)
R - Sovo báyi alárun dê, Sovo báyi alárun dê, bá yi alárun dê, Sovo bá yi alarun dê ou! (Sovo dono do céu, chega Sovo dono do céu, passa resistente e chega)
T - Alubàtá ou! kábíyèsílè ndé ou! (Oh dono dos tambores batá! Oh! Sua alteza está chegando!)
R - Alubàtá ou! kábíyèsílè ndé ou! (Oh dono dos tambores batá! Oh! Sua alteza está chegando!)
T - Agodó màá iyo, agodó màá iyo àtéwó já Àgànjú màá eu àtéwó já òdodo màá iyo (O tambor sempre nos alegra, o tambor sempre nos alegra, estende as mãos abertas dando passo ao Aganju que aparece com sua palma estendida pesando a verdade e nos alegrando)
R - Agodó màá iyo, agodó màá iyo àtéwó já Àgànjú màá eu àtéwó já òdodo màá iyo (O tambor sempre nos alegra, o tambor sempre nos alegra, estende as mãos abertas dando passo ao Aganju que aparece com sua palma estendida pesando a verdade e nos alegrando)
T - Káwó kábíyèsílè omo sèré omo júbà (Sua alteza domina o mundo, filho da cabaça com contas, filho reconhecido)
R - Káwó kábíyèsílè omo sèré omo júbà (Sua alteza domina ao mundo, filho da cabaça com contas, filho reconhecido)
T - Nà àgò’rò ai àjà orò (Saudamos o espírito para que não haja luta com ele)
R - Àgò yé yé! (Por favor, com licença!)
T - Omo júbà! (Filho respeitoso!)
R - Lái lái mojúbà aiyé oumo júbà, lái lái oumo júbà aiyé (Eternamente eu respeito a vida, ao filho respeito sempre na vida)
T - Káwó! (Domina o mundo!)
R - Kábíyèsílè! (Sua alteza!)


**** Toque Alujá ****

T - Elìjó’ gòdó a k’àrá wó, a ní sé wó, a ní sei wó (Senhor da dança do tambor, nós recolhemos a queda do raio, temos que fazê-lo cair, devemos fazer com que caia)
R - Elìjó’ gòdó a k’ àrá wó, a ní sé wó, a ní sei wó (Senhor da dança do tambor, nós recolhemos a queda do raio, temos que fazê-lo cair, devemos fazer com que caia)
T - Adé wó wó! (Coroa cai, cai!)
R - A ní sei wó, a ní sei wó (Temos que fazer cair)
T - A ní sé wó lha pariwó! (Temos que fazer cair, lança um grito ensurdecedor [trovão])
R - A ní sei wó abà orò! (Temos que fazer cair uma porção do espírito)
T - Alojà (Dono do comércio)

Nenhum comentário:

Postar um comentário