24 de janeiro de 2012

Ajê Saluga


Ajê Saluga é a irmã mais nova de Iemanjá. Ambas são as filhas prediletas de Olokun. Quando a imensidão das águas foi criada, Olokun dividiu os mares com suas filhas e cada uma reinou numa diferente região do oceano. Eram nove as filhas de Olokun e por isso se diz que são nove as Iemanjás. Dizem que Iemanjá é a mais velha Olokun e que Ajê Saluga é a Olokun caçula. Olokun deu às suas filhas os mares e também todo o segredo que há neles. Mas nenhuma delas conhece os segredos todos, que são os segredos de Olokun.  Ajê Saluga ganhou o poder sobre as marés. Porém, menina muito curiosa, sempre ia bisbilhotar em todos os mares. Quando Olokun saía para o mundo, Ajê fazia subir a maré e ia atrás cavalgando sobre as ondas. Ia disfarçada sobre as ondas, na forma de espuma borbulhante. Tão intenso e atrativo era tal brilho que às vezes cegava as pessoas que olhavam. Um dia Olokun disse à sua filha caçula:"O que dás para os outros tu também terás, serás vista pelos outros como te mostrares.Este será o teu segredo, mas sabe que qualquer segredo é sempre perigoso". Na próxima vez que Ajê Salugá saiu nas ondas, acompanhando, disfarçada, as andanças de Olokun, seu brilho era ainda bem maior, porque maior era seu orgulho, agora detentora do segredo. Muitos homens e mulheres olhavam admirado o brilho intenso das ondas do mar e cada um com o brilho ficou cego. Sim, o seu poder cegava os homens e as mulheres. Porém quando Ajê Saluga também perdeu a visão, ela entendeu o sentido do segredo. Iemanjá está sempre com ela quando sai para passear nas ondas.
Ajê Saluga simboliza para o Povo Yorubá o poder de ganhar e obter dinheiro para uma vida sem dificuldades e com prosperidade extensiva a toda a família. 
É um Orixá cultuado em todo o panteão africano e nas américas por Babalorixás, quando se defrontam com uma situação precária de vida do filho ou de algum cliente que os procura, aconselham apropriadamente a estes que façam o assentamento de Ajê Saluga.
Ajê Saluga é uma divindade muito rara, por ter seu culto quase extinto. Poucos conhecem seu culto, e os que conhecem, na maioria dos casos, se recusam a passá-los à frente. Seus assentos devem ficar na casa de Oxalá, e nunca devem ser tocados por outra pessoa que não seja seu dono. O assento de Ajê deve ser dado ou ganhado, a pessoa não pode simplesmente assentá-la para si. Os materiais utilizados devem ser providenciados por seu novo dono, por serem estes materiais de um custo muito alto, geralmente demora muito para se conseguir tudo.
Conchas grandes, caramujos do mar, jóias naturais, corais, são os símbolos desta divindade. Não existem cerimônias abertas para ela, nem festas. Gosta de arroz cru com mel e farinha perfumada, o local onde Ajê encontra-se assentada não pode ser visitado por muitas pessoas, mostra-se muito tímida e cismada. Seus rituais devem acompanhar os de Oxalá. 

Um comentário:

  1. Alguém sabe onde eu posso consegui a melodia destas aduras :
    Adura Ajé Xaluga
    Ajé de o
    Anan ye
    E wo ilé ire
    E so l'ojo o
    Ajé jájá de
    More anan ye
    E wo ilé ire
    E so l'ojo o
    Ajé olówó
    Ajé olólà

    Adura Ajè Saluga
    AJE SE MI PELEPELE
    AJE SE MI RE
    ATO POLOWO IRE
    AJE O
    JE NRI E MU NA
    JE NRI E MU LO
    ELA IWORO
    AJE JE NRI E NA DOJO AIE MI
    KI NBA AJE JI
    KI NBA AJE SUN
    AJE SALUGA
    PESE AJE FUN MI
    Agradeço se puderem me informar abçs

    ResponderExcluir